fbpx

Por que meu e-commerce não vende?

Seu e-commerce está online há um bom tempo, mas não vende? Isso tem tirado o sono de muitos empresários e empreendedores digitais e, com certeza, o seu também, certo? Mas quais seriam as razões e circunstâncias para  não gerar vendas? Calma, pois não será necessário chegar ao ponto de anunciar “Vende-se loja virtual”. Iremos abordar algumas soluções simples e práticas que você poderá adotar.

Neste artigo, traremos alguns pontos a serem considerados e daremos algumas dicas do que pode ser melhorado em seu e-commerce para o tão esperado momento: o de vender.

Não estar vendendo pode ser um problema proveniente de dois fatores:

1° As pessoas chegam no seu e-commerce e, por algum motivo, não estão comprando.

2° Você não está levando visitas para seu ecommerce.

Partiu entender melhor?

Você não está levando tráfego (visitas) para seu e-commerce.

Quando falamos de visitas, logo pensamos em tráfego. Como estão suas estratégias de marketing para trazer visitas para seu ecommerce?

Vamos falar sobre seis tipos de tráfegos:

  1. Tráfego orgânico (Search Engine Optimization – SEO);
  2. Tráfego pago (ADS);
  3. Tráfego de referência;
  4. Tráfego direto;
  5. Tráfego social;
  6. Tráfego de e-mail marketing.

Tráfego orgânico (SEO): é quando o consumidor chega ao seu produto sem que você precise pagar por isso (sem utilizar campanhas pagas). Para tal, é necessário realizar estratégia de Inbound Marketing.

A forma mais comum do Inbound Marketing acontecer é pelos mecanismos de busca. Basicamente, o consumidor  busca determinado produto ou serviço no Google, que lhe exibirá resultados relativos à sua busca. O cenário ideal seria que seu produto fosse apresentado na primeira página; para isso é necessário uma estratégia de SEO (Search Engine Optimization ou otimização para mecanismos de busca), porque é ela que aumenta as chances de seu ecommerce ser um dos primeiros resultados das buscas no Google.

Uma frase bem conhecida no mundo do marketing digital é: “Se quiser esconder um corpo, esconda na segunda página do Google”. Ou seja, ninguém vai lá. Tá vendo só a importância de estar bem posicionado na primeira página?

Quando você gera tráfego orgânico para seu ecommerce, atrai um público de alta qualidade, pois é uma galera mais direcionada para o que você oferece, já que foi atrás dele e está interessado nele.

Quer saber mais sobre estratégias de SEO? Entre em contato com a gente!

Tráfego Pago (ADS)

O tráfego orgânico e o pago são opostos, porém se complementam.

No tráfego orgânico você não paga para seu público chegar até você, porém é um período de médio a longo prazo para que tenha retorno sobre o investimento (ROI). Já no tráfego pago, você investe em campanhas e o retorno sobre o investimento vem imediatamente. Sendo assim, os resultados são mais rápidos.

No tráfego pago, seu público não vem até você, é o contrário: você — isso mesmo, você! — vai atrás do seu público. Isso entra no conceito de Outbound Marketing, ou seja, quando você, como empresa, dá o primeiro passo para conquistar seus clientes sem esperar que eles venham até você.

Hoje temos duas plataformas conhecidíssimas para fazer estratégias de tráfego pago. São elas: Google Adwords e Facebook Ads.

Com estas ferramentas suas campanhas podem ser:

  • Com foco em palavras-chave relevantes para seu negócio, através de links patrocinados no Google;
  • Com foco no perfil do público-alvo, através de posts patrocinados nas redes sociais como Facebook, Instagram e Youtube;
  • Banners em outras páginas.

Atuando com campanhas pagas, você só paga se alguém clicar no seu link patrocinado, o que chamamos de CPC – custo por clique. Isto é ótimo para os negócios, pois não é igual a um outdoor ou a uma propaganda na TV, com os quais gasta sem ter certeza que alguém viu. Com o anúncio,você só paga quando alguém se interessar e clicar nele, aumentando ainda mais as chances de vender para o público certo.

Tráfego de Referência

Tráfego de referência é quando alguém faz referência de seu site em outras páginas / sites através de links ou banners patrocinados. Sua maior vantagem é que ele dá um empurrãozinho no tráfego orgânico. Afinal, se outras páginas estão indicando, referenciando e/ou falando sobre você e seu produto ou serviço, os mecanismos de busca entendem que ele é relevantes. Faz sentido, não faz?

Então, como dica, faça parcerias com sites, blogs e ecommerces, a fim de aumentar o tráfego para seu ecommerce e melhorar seu posicionamento na primeira página dos buscadores.

Tráfego Direto

Podemos dizer que o tráfego direto é o cenário dos sonhos, pois não é preciso esforço nenhum para seu público chegar até você. Não precisa fazer estratégias de SEO, campanhas pagas e nem tráfego de referência. Tudo acontecerá de maneira bem orgânica, pois é ele quem dá o primeiro passo.

A única coisa que precisará fazer para aumentar seu tráfego direto é fidelizar seu público através de branding, porque quando sua marca está forte em presença digital, o tráfego direto se torna uma consequência.

Saiba um pouco mais sobre como aumentar sua presença digital, clicando aqui.

Tráfego Social

Sua marca precisa estar presente em todas as redes sociais se você pensa em ter um negócio de sucesso e vender muito. Cerca de 3,2 bilhões de pessoas no mundo todo estão usando as redes sociais. O queridinho e número 1 atualmente é o Facebook, contendo mais de 2 bilhões de usuários — é… o titio Mark sabe fidelizar o mundo digital. Seguindo o Facebook e captando uma fatia do 1,2 bilhão restante, estão Instagram, Twitter, LinkedIn, Youtube, entre outros.

Se realmente pensa em aumentar o tráfego do seu ecommerce, de maneira nenhuma deve ignorar estes números. Divulgue muito sua marca nas redes sociais, assim você ganha um empurrãozinho no tráfego para seu ecommerce. Seja qual for a rede social, o segredo é divulgar.

A maior vantagem do tráfego social é que, se o público gostar dos seus produtos ou serviços, se torna automático o marketing boca a boca: as pessoas começam a compartilhar entre si e eles acabam viralizando. Se isso acontecer, os acessos ao seu ecommerce irão aumentar drasticamente, afinal, o tráfego social traz visibilidade.

Um ponto importante a ser levado em consideração é que o público das redes sociais é de qualidade, pois está interessado no que você vende.

Quer saber mais sobre estratégia de marketing nas redes sociais? Confira nosso artigo sobre o assunto.

Tráfego de E-mail Marketing

Diziam por aí que os e-mails marketing iriam se extinguir… Bobagem! Hoje, cerca de 92% dos adultos possuem contas de e-mail, afinal, em todo cadastro que você faz, o que é pedido?  Isso mesmo, e-mail.

O melhor e principal meio de comunicação com seus leads e clientes é o e-mail marketing. É a forma mais fácil e segura de contatá-los.  Com ele, você já tem a autorização para se comunicar com o público através de uma landing page ou newsletter. Sendo assim, é possível fazer ofertas para as pessoas certas na hora certa.

Consumidores que compram produtos ou serviços por e-mail gastam cerca de 138% a mais do que os que não recebem esse tipo de comunicação.

Faz sentido para você utilizar essa ferramenta para gerar mais tráfego para seu ecommerce? Vamos juntos traçar estratégias de tráfego de e-mail marketing? Entre em contato com a nossa equipe.

As pessoas estão chegando no seu e-commerce, mas não estão comprando.

Pontos a analisar e dicas de usabilidade:

Layout atrativo e convincente

Não adianta ter um ecommerce online e  apresentar um design amador que não passa confiança nem credibilidade ao cliente.

Utilize fontes amigáveis e de fácil compreensão, seguindo um conceito limpo de tipografia e sem alternar muito entre as fontes. Utilize botões com estratégias que chamem a atenção do consumidor, como cores vivas que tenham um “call to action” (chamada para ação) atrativo.

Um design bonito, elegante e que desperte a atenção do cliente pode ser um fator totalmente decisivo para fechar uma venda. Afinal, design vende, e muito!

Confira um artigo de nosso blog sobre Packaging Design como ferramenta de vendas.

Descrição e fotos dos produtos.

Seus produtos ou serviços estão bem descritos? Está claro para o consumidor o que ele está comprando ou especificado o que é determinado produto ou serviço?

Um erro fatal de um ecommerce é ter produtos com pouca ou nenhuma descrição. Como alguém vai comprar algo que talvez não conheça ou que, mesmo conhecendo, não tem informações precisas?

Descreva seus produtos ou serviços de forma completa e sucinta, assim dará maior confiabilidade ao consumidor e, com toda certeza, ele irá clicar no botão de comprar.

Na sua vitrine de produtos, busque ter fotos profissionais, dimensionadas em um só padrão de tamanho. Utilize fotos com somente uma cor de fundo para que passe uma impressão mais profissional e limpa de seu ecommerce.

Preços e condições de pagamento.

O seu preço é competitivo no mercado com seu nicho de negócio ou é do tipo que o cliente entra no site para comparar com outros e se depara com diferenças absurdas? Seu ecommerce pensa na facilidade de compra do consumidor, como meios de pagamentos parcelados e possibilidade de parcelas em dois cartões? Estas são boas condutas a serem adotadas.

Manter um preço competitivo é um bom começo para a decisão de compra do cliente. Sabemos que, hoje em dia, o consumidor procura cada vez mais um preço acessível e facilidade de pagamento. Dar diversas opções de pagamento é uma forma de fazer com que ele se sinta à vontade para comprar de acordo com sua condição.

Melhoria na logística da entrega.

Como está seu sistema de logística? Seu ecommerce também oferece opções de frete grátis? São oferecidas diferentes formas de entrega?

Sabemos que o sistema de transporte dos Correios possui diversas falhas em prazo e custo de envio. Negociar diferentes transportadoras a fim de trazer melhor experiência na logística e preços diferenciados é um fator decisivo para o consumidor finalizar a compra.

Velocidade ao abrir o site e as demais páginas.

Como está a velocidade ao abrir a página principal e as demais páginas do seu ecommerce?

Hoje o Google leva em consideração sites mais leves, com tempo de carregamento máximo de 2 a 3 segundos. Mais que isso, ele não leva em consideração para ranquear nos resultados de busca.

Busque otimizar o seu ecommerce de forma que a navegação seja mais leve e rápida. Consumidores com experiências negativas com tempo de carregamento das páginas desistem de comprar ou não voltam a comprar.

Você pode conferir como está o tempo de carregamento do seu e-commerce pela ferramenta PageSpeed Insights do Google.

Compras por dispositivos móveis (site responsivo).

Seu ecommerce corresponde aos diferentes formatos de dispositivos móveis como smartphones e tabletes?

Hoje em dia falamos muito sobre o termo MOBILE FIRST, um conceito aplicado em projetos web nos quais o foco inicial da arquitetura e do desenvolvimento é direcionado aos dispositivos móveis e, em seguida, aos desktops. A técnica tem se popularizado cada vez mais entre os profissionais de marketing e tecnologia e aplicada no design atual.

Compras por dispositivos móveis já representam 48% das vendas no varejo online e 80% dos consumidores brasileiros realizam compras pelo celular ou tablet. Adote práticas de design e regras de negócios focadas em dispositivos móveis. Assim, desses 80% de consumidores brasileiros, uma parte pode ser sua.

Saiba mais sobre Mobile First através do blog do próprio criador do conceito, Luke Wroblewski.

Esperamos que tenhamos trazido à tona alguns pontos que podem estar impactando suas vendas. Se tudo que foi abordado faz sentido pra você, bora bater um papo e traçar novas estratégias para seu ecommerce vender muito em 2020?

Entre em contato com a gente através dos canais de comunicação abaixo.

(19) 3808-1375
Rua Washington Luiz, 365 | Centro, Amparo – SP
Rua Viradouro, 63 – 14º Andar | Itaim Bibi, São Paulo – SP

Novos Negócios:
Ignas Jocionis: (19) 99859-0440

Obrigado pela leitura.

whatsapp
Olá! Como eu posso ajudá-lo? Clique aqui e fale com um dos nossos especialistas.
Bitnami